Top Blog

Top Blog

Top Blog
Awards!

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Lexicografia (e da boa) no YouTube

Olá, leitores do Lexicografia.

Acho que todos já perceberam que estou divulgando o blog espanhol Llave Del Mundo. Basta um clique ali do lado esquerdo, dentro da caixinha onde há palavras, e você pode entrar e explorar o que ali está contido, apreciar o tratamento que se dá às palavras, com informações de significado, etimologia, contextualização, etc. Um rico repositório de conteúdo lexicográfico em idioma espanhol, atualizado diariamente. A palavra como chave do mundo, não é interessante?

Também tenho seguido um outro blog chamado Dictionari http://diccitionari.blogspot.com.br/ que dá conta do que acontece de relevante na lexicografia catalã. Deveras interessante, informativo e motivador. Basta entender ao menos um tiquinho do idioma.

Mas minha dica lexicográfica de hoje destina-se a quem entende inglês. Descobri mais ou menos recentemente que a equipe editorial do Merriam-Webster tem uma forma muito simpática de interagir com o público.

Eles colocam lá no YouTube vídeos produzidos pela própria equipe editorial. Tais vídeos divulgam curiosidades e fatos relacionados ao trabalho das pessoas que produzem há tantas décadas este tradicional dicionário americano.

São vídeos bastante sintéticos, que raramente ultrapassam dois minutos. Um exemplo que colho agora como amostra é http://www.youtube.com/watch?v=D3sDiH3FhnY. Neste, uma editora associada fala de “palavras-fantasma”. Cita o único caso em toda a história do Webster: “Dord”, que significava ‘densidade’ segundo uma edição da década de trinta. Mas tratava-se de um engano. Esta palavra, que não figurava em nenhuma outra fonte ou documento original no domínio da física, nem no da química, nascera da indicação “D or d” que um dos consultores do Webster deixara numa ficha, ou seja, era usual abreviar-se densidade com apenas um ‘d’ que poderia ser maiúsculo ou minúsculo. O erro só foi corrigido na edição de 1947.

Há outros, muitos outros vídeos interessantes ali para quem queira ver a casa e a coisa por dentro, como em http://www.youtube.com/watch?v=5EeQEqqj-dI&feature=relmfu , onde um editor associado explica direitinho e em apenas 1 minuto e 59 segundos como é que as palavras entram no dicionário.

Os vídeos constituem em si mesmos um excelente exemplo inclusive de como praticamente qualquer coisa verbalizada pode ser de interesse lexicográfico, como todas as fontes existentes podem ser eficientemente exploradas e muito mais.

Mais do que o número (não muito expressivo, em geral) de exibições dos vídeos, algo me leva a crer que eles são bastante populares: o fato de existirem versões burlescas do “Ask the Editor”, com os mesmos cenários e atores cômicos no lugar dos editores, além de textos que parodiam os assuntos dos dicionaristas e seu modo de expô-los, em alguns casos realmente engraçados.

15 comentários:

Milene Lima disse...

Amo essa sua generosidade, a disposição para fazer o outro adquirir conhecimento, se aperfeiçoar... Crescer!

Amo mesmo.
Obrigada.

Beijo!

João Esteves disse...

Obrigado, Milene.
São tantos os que disponibilizam coisas edificantes por aí.
Busco então estas coisas. Meus canais virtuais servem para o compartilhamento do que vou descobrindo.
E que bom ter notícia dos ecos. Experimento prazer nesta divulgação discreta que faço.
O melhor de tudo são as esperanças que se acendem. Só o tempo dirá no que tudo isso terá dado.
Beijo!

Lais Castro disse...

OiJOão, excelentes dicas, como sempre. Abraço!

Lais Castro disse...

OiJOão, excelentes dicas, como sempre. Abraço!

João Esteves disse...

Obrigado, Laís.
Ah, descobri afinal como retirar aquela chatice de verificação com letrinhas.
Abraço.

Tere Tavares disse...

Perder olhares e encontrar generosidade, isso dá samba!

Obrigada pelo tracejar que nos apresentas João. Abraço

João Esteves disse...

Então, querida Terê, à Paulo César Pinheiro e João Nogueira:

"Vem a mim, ó música/ Vem no ar..."

Se for pra dar sambas tão bons quanto os deles, a eles, então.

Mas que nada. Meus modestos sambinhas nasceram, se tanto, pra Chico da Silva, por isso nunca chegarão a Noel Rosa, sequer a Martinho da Vila. Não há que lamentar, apenas uma constatação.

É sempre agradável pra mim recebê-la.

Abraço

Elisa T. Campos disse...

Caro João Esteves

Deixei um comentário no outro blog Só agora percebi que é este a mais recente na postagem. Como já disse lá
seus textos são excelentes de muita sabedoria e vou voltar para ler este com a atenção que merece.
Quanto ao meu blog pretendo mais para frente sintetizar o trabalho apenas com haicais e ilustrações que na verdade é o que gosto de fazer sem fugir da verdadeira essência.Mas por enquanto devo seguir esta linha, tendo em vista o meu comprometimento com todos que me acompanham.
Volto.
Obrigada pelo carinho da visita e sugestão.
Um bom domingo
Abraços

Teuvo Vehkalahti disse...

This blog is through a nice to meet new people and their land, culture and nature. Come and look at you Teuvo Kuvat - Teuvo images, both at the same time will be my blog collection flag depicting your country's flag to rise higher. You should also tell all your friends to my blog by fermentation. Teuvo Vehkalahti Finland

João Esteves disse...

Seja o que for que você sirva ao seu leitorado no qual me incluo, tenho sempre a prévia certeza de encontrar o que você escreveu com o coração, e assim pra mim sempre vale. Belezas poéticas, imagens, tudo leva o selo de sua honesta intenção de oferecer algo de que o leitor goste. E é o que acontece mesmo, não é de surpreender.
Bom domingo e abraços pra você também.

João Esteves disse...

Thanks for your visit, Teuvo Vehkalahti. I´m surely going to see what your blog is about.

José Edward Guedes disse...

É, amigo, eu sou desligado para as questões que não deveria, e essa é uma delas: estudo da grafia, da literatura em geral. Parabéns por ter um amigo que prima pelas nossas deficiências, isso, de algum modo, compensa as nossas deficiências. Há algo que eu gostaria de lhe dizer. Eu conheço um cara cujo sonho dele era ser médico urologista. Ele tentou, tentou, perdi a conta do número de vestibulares perdidos, até que resolveu abandonar o sonho e resolveu ser um simples mas feliz "consertador de zipperes". Quanto ao Beneval da Turma do Supletivo e toda aquela história, a única verdade mesmo é que fiz sim o supletivo do primeiro grau. Ninguém, mas ninguém mesmo, com exceção de você que ficou meio que desconfiado, mas também ficou só na desconfiança quanto à minha capacidade inventada (mas você não deu a entender que tudo era jogo imaginário) para lembrar de tantos detalhes. Mistério que não é mistério, é só imaginação. Mas, com isso, eu queria voltar ao Beneval, moço inventado e cujo bigode inventado faz-me lembrar o seu, que é real, pródigo. Respeito e gosto das diversidades, o meu Beneval gostava de barba com barba, é o gosto dele, eu só acho as diferenças destrutivas, todo esse lance de rótulos (LGBT, Orgulho Gay, etc.) causa-me uma ingestão de digestão, e queria lhe sugerir para não abandonar o seu bigode, leve-o consigo, fica bem assim, e também é uma forma de compensar a mim e bilhões de pessoas por algo que não temos, o meu é igual ao dos 99% dos bigodes do mundo. Vá fundo, amigo, de vez em quando, vou passar neste blog para aprender. Abraços.

João Esteves disse...

José, muito agradável me é receber aqui sua visita.
O que me fez visitar por primeira vez seu blog foi justamente o nome que você lhe deu.
O conteúdo está repleto de uma interessante originalidade que se expressa de variadas maneiras.
Tem por isso em mim um leitor inassíduo mas muito apreciativo.
Quanto a este espaço onde falo de dicionários e coisas do gênero, claro e evidente que ele estará sempre a sua inteira disposição.
Abraços.

Sônia Silvino (Crazy about Blogs) disse...

Muito interessante, amigo! Boas e valiosas dicas!
Beijo!

João Esteves disse...

Obrigado por vir aqui também, Sônia. Sua apreciação é altamente incentivadora pra mim.
Beijo!