Top Blog

Top Blog

Top Blog
Awards!

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Googlando para saber frequências de uso

A experiência simples que descreverei é interessante do ponto de vista de se poder confirmar a frequência de determinadas colocações.

Com os substantivos ‘barata’, ‘mosca’, ‘piranha’ e ‘vaca’
e os adjetivos ‘braba’, ‘louca’, ‘morta’ e ‘tonta’,
armei um quadro onde todos os adjetivos determinavam todos os substantivos, dando os seguintes 20 pares de substantivos determinados:

barata braba’, ‘barata louca’, ‘barata morta’ ‘barata tonta’

‘mosca braba’, ‘mosca louca’, ‘mosca morta’ ‘mosca tonta’

‘piranha braba’, ‘piranha louca’, ‘piranha morta’ ‘piranha tonta’

‘vaca braba’, ‘vaca louca’, ‘vaca morta’ ‘vaca tonta’


No caso, todas estas colocações são perfeitamente válidas na língua portuguesa.

Eu naturalmente esperava, por experiência, que todas elas fossem encontradas.

Esperava igualmente que para cada um dos quatro substantivos houvesse um certo adjetivo que o determinasse com uma frequência de longe mais alta.

Googlei então, caso por caso, anotando os respectivos números de casos encontrados no momento. Verifiquei que minhas hipóteses eram todas boas. Os números do Google confirmavam-nas, dando disparado mais ocorrências de ‘barata tonta’, ‘mosca morta’, ‘piranha braba’ e ‘vaca louca’.

Um só par de determinado/determinante não foi encontrada nenhuma vez na hora da pesquisa:‘barata braba’. Por que cargas d'água, afinal, se "mosca braba' eu encontrei? Suponho tratar-se aqui de mera coincidência, pois as colocações ‘perdedoras’ me pareciam todas de igual implausibilidade assim, fora de um contexto, mas todas seriam perfeitamente justificáveis, dependendo do entorno em que porventura se achassem. Lembrar que 'barata', por exemplo, nem sempre se refere a um inseto, ou vaca a um bovídeo, etc.

Fica então a idéia e um modelo facilmente utilizável para incontáveis googladas semelhantes, com excelentes possibilidades se tirar conclusões bastante confiávies da aventura pela língua através dessa incrível ferramenta. Praticamente não há limite. Vários verbos e as preposições com eles mais esperadas [ansiar por, pensar em, sonhar com, etc.], vários verbos e os advérbios com eles mais esperados [apaixonar-se perdidamente, errar redondamente, acreditar piamente, etc.], e todos os etcéteras.

Breve, mais sugestões de utilização do Google como ferramenta para pesquisa em língua(s).

14 comentários:

Nanda Assis disse...

coisa louca rs

bjosss...

neo-orkuteiro disse...

O Google é incrível mesmo, Nanda. Informa em quantos documentos a palavra ou expressão foi encontrada, o que dá base para muitas estatísticas. Se houvesse um número suficiente de pessoas fazendo estas estatísticas o tempo inteiro no Brasil e nos demais países lusófonos, a própria língua portuguesa sairia significativamente beneficiada.
Beijos.

Cássio Amaral disse...

valeu sua generosidade. seu blog é bom e vou voltar . abração. muita luz.

neo-orkuteiro disse...

Pois sinta então retribuído esse aumentativo abraço e toda essa luz que aqui me deixa, Cássio.
É tão inevitável para mim ter impressões positivas sobre meus visitadores ... isto é verdade para todos, nunca houve uma só exceção.
Ah, já vou fazer minha costumeira visita de retribuição.

Cássio Amaral disse...

Acho que tenho uma química sua pra escrita, algo de Zaratustra, de louco, de zen, de poeta...

Você me lembra Robson Corrêia de Araújo meu brother de Brasília.

Velho, meu livro tá pronto e vou lança-lo. O quarto livro em papel de poesia e haicai. E vou te mandar os que estão em pdf. Me diz seu email depois, me adiciona no orkut e vou te linkar agora no meu blog. Saiba que já é de casa. E vamos nos falando. Eu leciono História e Filosofia.

Um abração e muita luz. Muita luz.

Cássio Amaral disse...

brou,


me adiciona na orkutosfera também por favor.

braços

mundo azul disse...

______________________________

Gosto das palavras, gosto de dicionários... Tenho um na cabeceira da cama.

Nunca me passou pela cabeça, fazer pesquisas desse tipo...Mas, gostei tanto dos exemplos que você deu, que vou prestar mais atenção...

Voltarei aqui, pode acreditar!

Beijos de luz e carinho...

_________________________________

neo-orkuteiro disse...

Que beleza, Cássio, de informações você aporta aqui. Amigos, sim, pelas afinidades já descobertas e nem devem ser únicas.

neo-orkuteiro disse...

Ah, já lhe passei o e-mail, Cássio. Ele está nos meus blogs, qualquer leitor pode us-alo para comunicação direta.

neo-orkuteiro disse...

Querida Zéla.
A própria língua só sairia ganhando e muito, se grande número de pessoas se dedicassem um pouco mai ao conhecimento dela e compartilhassem suas informações e descobertas. Isto de fato acontece, mas numa escala realmente insatisfatória.
Este blog é um forum para conversarmos sobre língua e vários assuntos a ela direta ou indiretamente relacionados.

Que o azul do seu mundo e dos seus olhos continue a dar o ar de sua graça por aqui e alhures.

Meus beijos, minha luz e meu carinho pra você também.

Parapeito disse...

...mosca braba....ou brava ??

****

neo-orkuteiro disse...

Brava é a forma primitiva, no feminino singular. Dela drivam bravura, desbravar, desbravamento, bravio, e outras mais.
Braba é (salvo engano de minha parte)simples uma variante ortográfica, mas que também goza das prerrogatrivas de palavra primitiva, pois dela deriva o substantivo abstrato brabeza.

Piranha braba cá no Brasil não costuma fazer referência ictiológica. Usualmente, aplica-se a uma meretriz vulgar, sem qualquer classe nem requinte.

Também se diz costumeiramente bicha louca para homosexuais escandalosos e cheios de trejeitos afetados. Galinha morta pode ter o significado literal mas nem sempre, suponho que também se use em Portugal com referência idêntica ou afim.

Sou todo agradecimentos por esta sua visita, Maria.

Parapeito disse...

:))) Pela explicação....eu "desculpo"...o tal Ana :))
Um bom sabado *****

neo-orkuteiro disse...

E meio baratinado, com a trapalhada de errar nome, expliquei-me mas não disse o nome do poeta seu apresentado, por receio do 'doubler blunder', que consiste em dizer algo para sair-se de uma enrascada e com isto enrascar-se mais ainda.

Eu não tinha mais certeza do nome do poeta e preferi não arriscar (Eugénio?). Já errara o seu e era o quanto bastava por um pequeno lapso de horas, pareceu-me.

Muitíssimo agradecido por sua compreensão, também, prezada Maria.